Guia português disponível.

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Tue Sep 02, 2014 9:26 pm

Salve Sandra,
O que é que faz mover o corpo?
A resposta é óbvia "eu" faço o meu corpo. Entendendo "faço" como quem decide os movimentos do corpo. Tenho que reconhecer que percebo movimentos que eu não decidi e que apenas "acontecem". Exemplo: pus, agora o meu braço esquerdo descansar a sobre o cobertor a minha esquerda. Quem decidiu isso ? Não fui eu. Vejo isso acontecer várias vezes por dia, sei que isso acontece o tempo inteiro, mesmo que eu não "veja" e nem "decida" o movimento.

Quero fazer um comentário extra. Hoje assisti um tipo de "aula" em que houve uma discussão sobre o tema. Eu tomava muitas notas e estava muito interessado no tema e com muitas idéias vindo a mente. Por um momento, senti meus pensamentos "funcionando" sem a minha intervenção ou controle.

Abraços,

Luiz

User avatar
Canfora
Posts: 3978
Joined: Wed May 22, 2013 2:58 pm

Re: Guia português disponível.

Postby Canfora » Wed Sep 03, 2014 1:11 pm

Olá Guga,
A resposta é óbvia "eu" faço o meu corpo. Entendendo "faço" como quem decide os movimentos do corpo.
O que é que torna esta resposta óbvia? O pensamento de que sabes a resposta?
Quando pensas que uma resposta é óbvia o que é que fazes? Dás-te ao trabalho de verificar, na tua experiência, se aquilo que pensas que é óbvio é verdadeiro?
Ou achas que não vale a pena verificares? Porque é óbvio?

Verificas-te realmente se és tu que decides os movimentos do corpo?
Olhaste?
Viste?
Tens a certeza?
Há realmente um eu a comandar os movimentos do corpo?
É realmente óbvio que há?
Se é assim tão óbvio onde é que está este eu e como é que este eu comanda o corpo? Consegues descrever, olhando para a tua experiência, este eu e a forma como comanda o corpo?
Tenho que reconhecer que percebo movimentos que eu não decidi e que apenas "acontecem". Exemplo: pus, agora o meu braço esquerdo descansar a sobre o cobertor a minha esquerda. Quem decidiu isso ? Não fui eu. Vejo isso acontecer várias vezes por dia, sei que isso acontece o tempo inteiro, mesmo que eu não "veja" e nem "decida" o movimento.

Então não é assim tão óbvio. Quando olhaste viste que há movimentos que apenas acontecem.
E se for sempre assim?
E se "A resposta é óbvia "eu" faço o meu corpo. Entendendo "faço" como quem decide os movimentos do corpo." for só uma crença, um pensamento?

Ou ambas as coisas podem ser verdade?
1. Um eu a decidir os movimentos do corpo e
2. movimentos a acontecer sem um eu, como se o eu ligasse o piloto automático e fosse ocupar-se de outras coisas?

:)

Algumas sugestões para verificares o que é que faz mover o corpo:

Quando comes, o que é que move o corpo?
Quando tomas banho, o que é que move o corpo?
Quando conduzes um carro, o que é que move o corpo?
Quando escreves, o que é que move o corpo?

O que é que é mais verdadeiro?

Eu como ou comer acontece?
Eu tomo banho ou tomar banho acontece?
Eu conduzo ou conduzir acontece?
Eu escrevo ou escrever acontece?

Se existe um eu presente quando o movimento do corpo acontece, onde é que este eu está? Consegues vê-lo?
Por um momento, senti meus pensamentos "funcionando" sem a minha intervenção ou controle.
Estiveste a ver os pensamentos enquanto eles aconteciam. A ideia é mesmo essa. Os pensamentos podem ser vistos.

Dizes "meus" pensamentos. O que é que torna os pensamentos "meus"? Onde é que está o proprietário dos pensamentos? Consegues ver o pensador, da mesma forma que consegues ver pensamentos?

Se os pensamentos pertencem a um eu, onde é que estão? O eu é um contentor de pensamentos?

Abraço, Sandra

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Wed Sep 03, 2014 10:07 pm

Salve Sandra,
O que é que torna esta resposta óbvia? O pensamento de que sabes a resposta?
Quando pensas que uma resposta é óbvia o que é que fazes? Dás-te ao trabalho de verificar, na tua experiência, se aquilo que pensas que é óbvio é verdadeiro?
Ou achas que não vale a pena verificares? Porque é óbvio?
Precisamente por que parece óbvio, merece ser investigado. E não se
vai muito longe para se encontrar problemas com o que parece obvio.
Verificas-te realmente se és tu que decides os movimentos do corpo?
Olhaste?
Viste?
Tens a certeza?
Há realmente um eu a comandar os movimentos do corpo?
É realmente óbvio que há?
Se é assim tão óbvio onde é que está este eu e como é que este eu comanda o corpo? Consegues descrever, olhando para a tua experiência, este eu e a forma como comanda o corpo?
Quanto mais eu observo, mais eu constato que grande parte dos movimentos corporais do meu dia-a-dia é completamente fora do meu controle direto. Mas outras coisas seguem sob o comando de ego. Escrever essa linhas dependem de alguém que escolhe as palavras e quer fazer frases um certo sentido. Ainda assim quando se busca ver esse 'ego', ou observar essa identificação e coloca a mente num estado de 'observador', pode-se ver que se sensação de 'ego' na cadeira de comando, diminui, esta relaxada. E pode acontecer como ontem um fluxo de pensamentos acontecendo, fora do aparente controle do ego.
Então não é assim tão óbvio. Quando olhaste viste que há movimentos que apenas acontecem.
E se for sempre assim?
E se "A resposta é óbvia "eu" faço o meu corpo. Entendendo "faço" como quem decide os movimentos do corpo." for só uma crença, um pensamento?
Ou ambas as coisas podem ser verdade?
1. Um eu a decidir os movimentos do corpo e
2. movimentos a acontecer sem um eu, como se o eu ligasse o piloto automático e fosse ocupar-se de outras coisas?
Verdade como, eu estou usando um relógio, ou há um copo sobre a mesa, essas duas alternativas não são. Não queremos entrar nessa discussão 'filosófica'. O eu formado pelos 5 agregados (skandhas (Sanskrit) or khandhas (Pāḷi)) budistas 'existe', mas como tudo apenas é transiente, sem substância e insatisfatório. O que você esta a argumentar aqui é que o 'eu' não existe. Para mim ainda existe, não como um artigo de fé, mas por que eu ainda não vejo além dessa identificação. Apesar de ver que essa identificação com um 'eu' ficar tenuê ou mesmo não aparecer (o que não é o mesmo que desaparecer) em diversos momentos.

Algumas sugestões para verificares o que é que faz mover o corpo:

Quando comes, o que é que move o corpo?
Quando tomas banho, o que é que move o corpo?
Quando conduzes um carro, o que é que move o corpo?
Quando escreves, o que é que move o corpo?

O que é que é mais verdadeiro?

Eu como ou comer acontece?
Eu tomo banho ou tomar banho acontece?
Eu conduzo ou conduzir acontece?
Eu escrevo ou escrever acontece?
Enquanto para mim a identificação com um eu existir você já sabe a resposta para as perguntas acima. Isso dado, ao comer, banhar-me, ao dirigir um carro, escrevendo e outras atividades motoras como por exemplo coçar-me, ou piscar, (piscamos entre 16 a 20 vezes por minutos involuntariamente e inconscientemente), apenas acontecem. Percebo mais e mais essa situação no meu dia-a-dia. A entrevista da Ilana e da Helena foi um marco para ver isso, deixo as coisas acontecerem, comer, andar e etc… Vejo emergir do fenomeno, mas identificação aparece e o 'eu' entra em cena.
Se existe um eu presente quando o movimento do corpo acontece, onde é que este eu está? Consegues vê-lo?

gugabuga wrote:Por um momento, senti meus pensamentos "funcionando" sem a minha intervenção ou controle.


Estiveste a ver os pensamentos enquanto eles aconteciam. A ideia é mesmo essa. Os pensamentos podem ser vistos.

Dizes "meus" pensamentos. O que é que torna os pensamentos "meus"? Onde é que está o proprietário dos pensamentos? Consegues ver o pensador, da mesma forma que consegues ver pensamentos?

Se os pensamentos pertencem a um eu, onde é que estão? O eu é um contentor de pensamentos?
Eu não consigo ver os meus pensamentos, ele estavam ali, sem eu. Sem essa voz dentro da minha cabeça que eu digo que sou eu. Fico confuso com isso tudo, um cachorro tentando morder o próprio rabo. Não consigo ver o eu, é uma sensação, uma identificação com os pensamentos. O cérebro é o orgão onde os pensamentos acontecem. E os pensamentos são meus por que acontecem comigo, se eu não te contar, vocé não sabe deles, são 'meus' nesse sentido, fruto da atividade do 'meu' cérebro. Mas enfim não interessa muito que é o dono. Eles acontecem e quando nao criam problemas já é muito bom.

Abraços,

Luiz

User avatar
Canfora
Posts: 3978
Joined: Wed May 22, 2013 2:58 pm

Re: Guia português disponível.

Postby Canfora » Thu Sep 04, 2014 11:16 am

Olá Luiz,
Quanto mais eu observo, mais eu constato que grande parte dos movimentos corporais do meu dia-a-dia é completamente fora do meu controle direto. Mas outras coisas seguem sob o comando de ego. Escrever essa linhas dependem de alguém que escolhe as palavras e quer fazer frases um certo sentido. Ainda assim quando se busca ver esse 'ego', ou observar essa identificação e coloca a mente num estado de 'observador', pode-se ver que se sensação de 'ego' na cadeira de comando, diminui, esta relaxada. E pode acontecer como ontem um fluxo de pensamentos acontecendo, fora do aparente controle do ego.
O que é o ego na tua experiência?
É algo que é real, que existe?
Olha à tua volta. Onde é que está este ego?
Podes dar-me alguns exemplos de como o ego comanda?
Verdade como, eu estou usando um relógio, ou há um copo sobre a mesa, essas duas alternativas não são. Não queremos entrar nessa discussão 'filosófica'. O eu formado pelos 5 agregados (skandhas (Sanskrit) or khandhas (Pāḷi)) budistas 'existe', mas como tudo apenas é transiente, sem substância e insatisfatório. O que você esta a argumentar aqui é que o 'eu' não existe. Para mim ainda existe, não como um artigo de fé, mas por que eu ainda não vejo além dessa identificação. Apesar de ver que essa identificação com um 'eu' ficar tenuê ou mesmo não aparecer (o que não é o mesmo que desaparecer) em diversos momentos.
Quando dizes que não vês para além dessa identificação, o que é que queres dizer com a palavra "vês"?
Se olhares para esta identificação e vires que ela não é um eu, não é causada por um eu e não prova a existência de um eu, isso não seria ver para além da identificação?
Enquanto para mim a identificação com um eu existir você já sabe a resposta para as perguntas acima. Isso dado, ao comer, banhar-me, ao dirigir um carro, escrevendo e outras atividades motoras como por exemplo coçar-me, ou piscar, (piscamos entre 16 a 20 vezes por minutos involuntariamente e inconscientemente), apenas acontecem. Percebo mais e mais essa situação no meu dia-a-dia. A entrevista da Ilana e da Helena foi um marco para ver isso, deixo as coisas acontecerem, comer, andar e etc… Vejo emergir do fenomeno, mas identificação aparece e o 'eu' entra em cena.
E este eu que entra em cena é real? Quando olhas para ele, ele olha para ti de volta?
O que é que causa esta identificação?
Eu não consigo ver os meus pensamentos, ele estavam ali, sem eu. Sem essa voz dentro da minha cabeça que eu digo que sou eu. Fico confuso com isso tudo, um cachorro tentando morder o próprio rabo. Não consigo ver o eu, é uma sensação, uma identificação com os pensamentos. O cérebro é o orgão onde os pensamentos acontecem. E os pensamentos são meus por que acontecem comigo, se eu não te contar, vocé não sabe deles, são 'meus' nesse sentido, fruto da atividade do 'meu' cérebro. Mas enfim não interessa muito que é o dono. Eles acontecem e quando nao criam problemas já é muito bom.
Porque é que não consegues ver o eu? Se o eu existe não devia estar aqui, agora?

Abraço, Sandra

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Thu Sep 04, 2014 10:48 pm

Olá Luiz,

gugabuga wrote:
Quanto mais eu observo, mais eu constato que grande parte dos movimentos corporais do meu dia-a-dia é completamente fora do meu controle direto. Mas outras coisas seguem sob o comando de ego. Escrever essa linhas dependem de alguém que escolhe as palavras e quer fazer frases um certo sentido. Ainda assim quando se busca ver esse 'ego', ou observar essa identificação e coloca a mente num estado de 'observador', pode-se ver que se sensação de 'ego' na cadeira de comando, diminui, esta relaxada. E pode acontecer como ontem um fluxo de pensamentos acontecendo, fora do aparente controle do ego.

O que é o ego na tua experiência?
É algo que é real, que existe?
Olha à tua volta. Onde é que está este ego?
Podes dar-me alguns exemplos de como o ego comanda?

gugabuga wrote:
Verdade como, eu estou usando um relógio, ou há um copo sobre a mesa, essas duas alternativas não são. Não queremos entrar nessa discussão 'filosófica'. O eu formado pelos 5 agregados (skandhas (Sanskrit) or khandhas (Pāḷi)) budistas 'existe', mas como tudo apenas é transiente, sem substância e insatisfatório. O que você esta a argumentar aqui é que o 'eu' não existe. Para mim ainda existe, não como um artigo de fé, mas por que eu ainda não vejo além dessa identificação. Apesar de ver que essa identificação com um 'eu' ficar tenuê ou mesmo não aparecer (o que não é o mesmo que desaparecer) em diversos momentos.

Quando dizes que não vês para além dessa identificação, o que é que queres dizer com a palavra "vês"?
Se olhares para esta identificação e vires que ela não é um eu, não é causada por um eu e não prova a existência de um eu, isso não seria ver para além da identificação?

gugabuga wrote:
Enquanto para mim a identificação com um eu existir você já sabe a resposta para as perguntas acima. Isso dado, ao comer, banhar-me, ao dirigir um carro, escrevendo e outras atividades motoras como por exemplo coçar-me, ou piscar, (piscamos entre 16 a 20 vezes por minutos involuntariamente e inconscientemente), apenas acontecem. Percebo mais e mais essa situação no meu dia-a-dia. A entrevista da Ilana e da Helena foi um marco para ver isso, deixo as coisas acontecerem, comer, andar e etc… Vejo emergir do fenomeno, mas identificação aparece e o 'eu' entra em cena.

E este eu que entra em cena é real? Quando olhas para ele, ele olha para ti de volta?
O que é que causa esta identificação?

gugabuga wrote:
Eu não consigo ver os meus pensamentos, ele estavam ali, sem eu. Sem essa voz dentro da minha cabeça que eu digo que sou eu. Fico confuso com isso tudo, um cachorro tentando morder o próprio rabo. Não consigo ver o eu, é uma sensação, uma identificação com os pensamentos. O cérebro é o orgão onde os pensamentos acontecem. E os pensamentos são meus por que acontecem comigo, se eu não te contar, vocé não sabe deles, são 'meus' nesse sentido, fruto da atividade do 'meu' cérebro. Mas enfim não interessa muito que é o dono. Eles acontecem e quando nao criam problemas já é muito bom.

Porque é que não consegues ver o eu? Se o eu existe não devia estar aqui, agora?

Abraço, Sandra

User avatar
Canfora
Posts: 3978
Joined: Wed May 22, 2013 2:58 pm

Re: Guia português disponível.

Postby Canfora » Fri Sep 05, 2014 10:50 am

A tua resposta parece ser uma cópia da minha resposta. Dificuldades técnicas?

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Fri Sep 05, 2014 2:05 pm

Olá Sandra,

Abaixo segue a mensagem de ontem. Foi um problema técnico e o cansaço.
Abraço,

Guga

Salve Sandra,
O que é o ego na tua experiência?
É algo que é real, que existe?
Olha à tua volta. Onde é que está este ego?
Podes dar-me alguns exemplos de como o ego comanda?
O ego é essa voz dentro da minha cabeça que diz para mim: eu sou você. É tão real quando qualquer outro fenômeno mental, é tão real quanto o teorema de pitagóras. Olho a minha volta e é o ego olhando a minha volta, geralmente é assim, tenho períodos ego-free, ou quase.
Quando dizes que não vês para além dessa identificação, o que é que queres dizer com a palavra "vês"?
Se olhares para esta identificação e vires que ela não é um eu, não é causada por um eu e não prova a existência de um eu, isso não seria ver para além da identificação?
Boa pergunta. Dizer que não vejo nada para além dessa identificação
significa eu não existo para além dela. Essa é a melhor noção que
tenho agora. Há pensamentos, mas quem pensa ? Eu penso, mas não o
tempo inteiro, preciosos momentos ego-free acontecem . Sem essa identificação provavelmente eu não estaria aqui, ou pelo menos eu não levaria essa identificação tão a sério. E quem sabe iria mais leve pela vida.
E este eu que entra em cena é real? Quando olhas para ele, ele olha para ti de volta?
O que é que causa esta identificação?
Eu olho para o chão, para o teto e eu não sou nem o chão, nem o teto, mas o que sou eu ? Voltar a luz do palco para esse ego que é o sujeito do conhecimento seria quebrar o encanto. Olho em volta, volto-me para mim mesmo, ainda não quebrei o encanto. Não sei o que causa essa identificação com o eu e nem sei ao certo o que é esse eu, hipóteses há várias e nem vem ao caso. Não sei o que quebra o encanto, ou será maldição ? Mas há quem diga que apenas acontece, mas acontece com mais frequência com quem busca. Pelo menos assim me parece.
Porque é que não consegues ver o eu? Se o eu existe não devia estar aqui, agora?
Não consigo ver o eu por que o eu não é um objeto físico. É um fenômeno mental, existe dentro da nossa cabeça, como muitas outras coisas. Não só o eu existe como esta agora te escrevendo essa carta. Talvez a pergunta relevante seja se o "eu" existe como nós pensamos que ele existe. Como esse centro da nossa vida, como uma identidade que nos define. Você mesmo admite que um "selfie" acontece com você, não se esse é o mesmo fenômeno comigo quando eu retorno de curtos períodos ego-free. Uma identificação forte acontece comigo e enquanto eu não ver que isso não é tão central, que é apenas mais um fenômeno entre outros estou preso nesse encanto.

Abraços,

Guga

User avatar
Canfora
Posts: 3978
Joined: Wed May 22, 2013 2:58 pm

Re: Guia português disponível.

Postby Canfora » Sat Sep 06, 2014 1:58 pm

Olá Guga,
Eu penso, mas não o tempo inteiro, preciosos momentos ego-free acontecem .
Porque é que dizes "Eu penso"? Porque quando surgem pensamentos há uma identificação, uma crença na existência de um pensador? O que é que está por trás desta identificação, desta crença? Formas habituais de pensar, condicionamento? Além de pensamentos, que provas físicas, concretas, é que tens de que este eu que pensa existe?
Não consigo ver o eu por que o eu não é um objeto físico. É um fenômeno mental, existe dentro da nossa cabeça, como muitas outras coisas. Não só o eu existe como esta agora te escrevendo essa carta.
Se o eu existe dentro da tua cabeça onde é que está localizado? Algures no meio dos neurónios? Atrás dos olhos? Entre as orelhas?

E como é que um pensamento ou uma série de pensamentos podem ser um eu?

Abraço, Sandra

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Sat Sep 06, 2014 10:49 pm

Olá Sandra,

Responderei amanhã, com calma e descansado.

Abraços,

Guga

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Sun Sep 07, 2014 11:14 pm

Cara Sandra,
Porque é que dizes "Eu penso"? Porque quando surgem pensamentos há uma identificação, uma crença na existência de um pensador? O que é que está por trás desta identificação, desta crença? Formas habituais de pensar, condicionamento? Além de pensamentos, que provas físicas, concretas, é que tens de que este eu que pensa existe?
É o piloto automático que esta por trás dessa crença, isso apenas acontece, como num condicionamento. Até agora essa é a minha melhor "teoria". Excluindo as responsabilidades civis e éticas que advém do fato de viver em sociedade. A minha evidência favorita no momento para a existência, ainda que transiente do eu é o sofrer. Sofra um pouco e diga-me se não foi com você. Digo isso do lado de dentro das minhas angústias e penas. Toda vez que alguém diz que o eu não existe da vontade de dar um pontapé na canela do sujeito e ver o que acontece. Olha, eu sei que não simples assim, mas as dores humanas acontecem com alguma coisa que se diz, uma entidade separada. A diferentes hipóteses para explicar por que a nossa consciência evoluiu para o que é agora. Isso não é o objeto da nossa conversa, como você já apontou. O nosso papo é: DESAPAREÇA! E isso acontece e a identificação volta, há resistências. Eu tento durante o meu dia-a-dia observar, mais calmente a minha experiência do momento e eu vejo que "eu" estou grudado no que esta acontecendo. As vezes passos o dia inteiro com uma grande resistência ao observar sem ser o 'agente' do faço.
Se o eu existe dentro da tua cabeça onde é que está localizado? Algures no meio dos neurónios? Atrás dos olhos? Entre as orelhas?
Algures nesse monte de neurônios que nos chamamos cérebro, ainda é a melhor hipótese que temos.
E como é que um pensamento ou uma série de pensamentos podem ser um eu?
É como é que "uma série de pensamentos" não poderiam ser de alguém ? Pensamentos sem um pensador, sem aquele que pensa ?
O nosso ego em toda a sua fragilidade tem poucas peças, sendo que o pensamento é uma das peças.

Abraços,

Guga

User avatar
Canfora
Posts: 3978
Joined: Wed May 22, 2013 2:58 pm

Re: Guia português disponível.

Postby Canfora » Mon Sep 08, 2014 12:58 pm

Olá Guga,
O nosso papo é: DESAPAREÇA!
Não, não é. Desapareça é uma expetativa. O nosso papo é: EXISTE?
Algures nesse monte de neurônios que nos chamamos cérebro, ainda é a melhor hipótese que temos.
Estás a dizer que o cérebro é o eu?
É como é que "uma série de pensamentos" não poderiam ser de alguém ? Pensamentos sem um pensador, sem aquele que pensa ?
O nosso ego em toda a sua fragilidade tem poucas peças, sendo que o pensamento é uma das peças.
Portanto existe um pensador a quem os pensamentos pertencem?
Sofra um pouco e diga-me se não foi com você.
O sofrimento acontece, sem dúvida. Mas onde é que está aquele que sofre?

Guga, o que é que pensas que pode acontecer se vires que este eu não existe? Há algum receio que te impeça de OLHAR simplesmente?

Abraço, Sandra

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Mon Sep 08, 2014 10:58 pm

Salve Sandra,
Não, não é. Desapareça é uma expetativa. O nosso papo é: EXISTE?
Sandra, EXISTE, não creio que existe como é entedido usualmente, sei
aparece como mais fenomeno do campo da consciência. O lago azul que
tem perto da minha casa não é uma fonte de pigmento azul para
roupas. Eu vejo o azul com a luz de um dia ensolarado, é bonito, mas
não existe azul é apenas a reflexão e a difração da luz que
acontece. Talvez seja diferente disso que estou tentando
descrever. Mas a minha percepcao e essa.
Portanto existe um pensador a quem os pensamentos pertencem?
Eu percebo esse pensador agora, e digo que sou eu. Isso esta mudando. Não sei se mudanças graduais acontecem nesse caso ou se é uma nova maneira de me iludir. Tomo muito cuidado com isso, a capacidade para nos iludirmos é muito grande.
O sofrimento acontece, sem dúvida. Mas onde é que está aquele que sofre?
A sofrer. Isso não é um jogo de palavras, nenhuma ironia aqui. É a condição humana.
Guga, o que é que pensas que pode acontecer se vires que este eu não existe? Há algum receio que te impeça de OLHAR simplesmente?
Liberdade. Liberação.
Tenho expectativas no mais das vezes positivas. Muito eventualmente passa pela minha cabeça um receio desse desconhecido 'no-self'. Tenho a esperança de deixar para trás muita coisa. As descrições antigas e modernas de 'stream-entry' fazem acreditar que vale a pena sentar para meditar todos os dias e estar atento as percepções. A minha vida mudou muito com a meditação, mas é como se eu estivesse na escola primária. Sou como um estudante me perguntando: como é que faz para ir para a universidade ? Stream entry é entrar na universidade. Não consigo encontrar nenhum grande receio que me impeça de olhar simplesmente. Estou olhando… olhando… um leve stress…olhando… stress… olhando… tensão…

Abraços,

Guga

User avatar
Canfora
Posts: 3978
Joined: Wed May 22, 2013 2:58 pm

Re: Guia português disponível.

Postby Canfora » Tue Sep 09, 2014 2:54 pm

Olá Guga,
O lago azul que tem perto da minha casa não é uma fonte de pigmento azul para
roupas. Eu vejo o azul com a luz de um dia ensolarado, é bonito, mas não existe azul é apenas a reflexão e a difração da luz que acontece. Talvez seja diferente disso que estou tentando descrever. Mas a minha percepcao e essa.
Olhaste para o azul e o que viste é que "azul" é uma ilusão, um conceito que é utilizado para descrever uma série de percepções?

Se da mesma forma que olhaste para "azul" olhares para "eu" o que é que vês?
Não sei se mudanças graduais acontecem nesse caso ou se é uma nova maneira de me iludir. Tomo muito cuidado com isso, a capacidade para nos iludirmos é muito grande.
Como é que fazes para diferenciar uma ilusão da realidade?

Abraços, Sandra

User avatar
gugabuga
Posts: 61
Joined: Fri Jul 11, 2014 7:46 pm

Re: Guia português disponível.

Postby gugabuga » Tue Sep 09, 2014 11:17 pm

Olá Sandra,

gugabuga wrote:O lago azul que tem perto da minha casa não é uma fonte de pigmento azul para
roupas. Eu vejo o azul com a luz de um dia ensolarado, é bonito, mas não existe azul é apenas a reflexão e a difração da luz que acontece. Talvez seja diferente disso que estou tentando descrever. Mas a minha percepcao e essa.
Olhaste para o azul e o que viste é que "azul" é uma ilusão, um conceito que é utilizado para descrever uma série de percepções?

Se da mesma forma que olhaste para "azul" olhares para "eu" o que é que vês?
A percep azul nao e uma ilusao

gugabuga wrote:Não sei se mudanças graduais acontecem nesse caso ou se é uma nova maneira de me iludir. Tomo muito cuidado com isso, a capacidade para nos iludirmos é muito grande.


Como é que fazes para diferenciar uma ilusão da realidade?

Abraços, Sandra

User avatar
Canfora
Posts: 3978
Joined: Wed May 22, 2013 2:58 pm

Re: Guia português disponível.

Postby Canfora » Wed Sep 10, 2014 10:18 am

A percep azul nao e uma ilusao
Porquê? Como é que fazes para diferenciar uma ilusão da realidade?


Return to “Português”

Who is online

Users browsing this forum: No registered users and 1 guest